Polícia Federal faz extradição de italiano procurado pela Interpol



Empresário, procurado pela Justiça Italiana desde 2013, foi preso em 2015 (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
Em 13/03/2017 às 08:50

O empresário italiano Mirco Folli, de 48 anos, vai ser entregue pela Polícia Federal a policiais italianos nesta segunda-feira (13). Folli era procurado desde maio de 2013 pela Justiça Italiana, quando foi condenado há mais de dez anos por favorecer a imigração clandestina e exploração da prostituição, porte ilegal de arma de fogo e crime financeiro, segundo a PF.

O italiano morava no bairro em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, e foi preso em janeiro de 2015, após a ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber determinar sua prisão preventiva para fins de extradição solicitado pelo governo da Itália.

Ao ser preso, Folli afirmou aos policiais federais que ficou surpreso ao saber do pedido de prisão e extradição, até porque havia retornado à Itália três anos antes para participar do enterro do pai e não houve qualquer tipo de impedimento quando entrou no país.

O italiano segue em um voo para o Rio de Janeiro, marcado para as 11h40, onde ser entregue a policiais italianos, que se encarregarão de conduzi-lo até Roma, na Itália, a fim de que possa responder por seus crimes diante daquela Justiça.

O empresário, que é natural de Parma, morava em Pernambuco desde 2004, quando obteve visto permanente de trabalho no país, de acordo com os registros da PF. Ele não era procurado então pela Justiça, mas já respondia aos crimes em seu país de origem.

Folli foi incluído em setembro de 2014 na Difusão Vermelha da Interpol e, a partir daí, passou a ser procurado nos 190 países que compõe a Organização Internacional de Polícia Criminal – OIPC.

A PF informou que, nos dez anos que esteve residindo em Pernambuco, não existe nenhuma informação de que ele tenha se envolvido em atos ilícitos ou que tenha cometido algum crime semelhante ao que foi condenado na Itália e, no Brasil, ele não possui nenhum antecedente criminal.

Fonte: G1 PE

Share on Google Plus

About Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário