Governo comemora queda da inflação e juros, mas indústria ainda aguarda



O Governo comemora o recuo da inflação e a queda da taxa Selic, pelo Banco Central, e garante que o pior já passou no Brasil.

A equipe econômica considera possível ao final do último trimestre de 2017, o País crescer 2%, em relação ao mesmo período do ano passado.

O ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, demonstrou otimismo para a saída da recessão. "Nós estamos bem confiantes de que os indicadores mais recentes demonstram que a eocnomia brasileira passou a pior fase. O pior já passou".

Mas o setor produtivo reclama do spread bancário, a diferença da Selic e o juro real, que impede o acesso a financiamentos e da alta carga tributária.

O presidente da Abimaq, José Veloso, considerou o dólar baixo um subsídio às importações e ressaltou que a indústria paga um terço dos impostos no País. "Nós temos que resolver esse problema, essas amarras", disse.

O otimismo do Governo se baseia na safra recorde do agronegócio, exportações de comodities e aumento na produção de carros e bens duráveis.

O presidente da Anfavea, Associação das Montadoras de Veículos, Antonio Megale, apostou em um aumento das vendas de 4% em 2017: "nós estamos na tendência da estabilidade".

O Governo trabalha com um crescimento de 1% do PIB, Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no País.

Embora tímido, após três anos de recessão econômica, o resultado poderá marcar a real retomada da economia do país e um cenário melhor em 2018.

*Informações do repórter Marcelo Mattos

JPNEWS

Share on Google Plus

About Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário