Escritórios da Odebrecht no Equador são alvo de operação de busca e apreensão


Logo da Odebrecht em edifício da empreiteira em Lima, no Peru (Foto: Janine Costa/Reuters)


O Ministério Público do Equador realizou nesta sexta-feira uma operação de busca e apreensão nos escritórios da Odebrecht em Guayaquil, onde apreendeu documentos que podem estar relacionados com informações sobre propinas de mais de US$ 35,5 milhões a funcionários do governo.

Na operação, realizada durante a madrugada, foram apreendidas 23 pastas com papéis, três livros e 23 cadernos, além de dois CDs e quatro computadores portáteis, informou o Ministério Público.

Os agentes confiscaram, além disso, uma CPU (unidade central de processamento) e dois HDs externos, ainda segundo a Procuradoria, que solicitou assistência penal sobre este caso a Estados Unidos, Brasil e Suíça.

A operação aconteceu em dois escritórios que ficam em um centro comercial da cidade portuária e, de acordo com o Ministério Público em sua conta no Twitter, buscava "evidências documentais, materiais e digitais que poderiam ser relacionados" com o caso.

O Procurador-geral, Galo Chiriboga, considerou nesta quinta-feira que os relatórios solicitados aos EUA e ao Brasil sobre as possíveis ramificações do assunto no Equador darão a "base suficiente" para investigar os supostos subornos a funcionários do governo equatoriano.

"Com as informações que o Brasil tem e a enviada ao Departamento de Justiça dos EUA, teremos uma base suficiente para trabalhar", disse Chiriboga.

O Departamento de Justiça dos EUA, segundo documentos publicados nesta semana, afirmou que a Odebrecht pagou aproximadamente US$ 788 milhões em propinas em 12 países de América Latina e África, incluindo o Brasil.

O relatório do Departamento de Justiça indica que no Equador, entre 2007 e 2016, a construtora fez pagamentos de mais de US$ 35,5 milhões a "funcionários do governo", o que gerou lucros de mais de US$ 116 milhões.

O governo equatoriano, por sua vez, disse nesta quinta-feira que não descarta que tenha havido "pagamentos ou atos de corrupção" da empresa brasileira que envolvam funcionários, mas afirmou que sua atuação em relação com essa companhia foi correta e lembrou que foi expulsa do país em 2008, embora depois voltou a prestar serviços terceirizados para o Estado.

Além disso, o governo exigiu que sejam revelados os nomes das pessoas envolvidas em supostos atos corruptos.

O secretário jurídico da presidência, Alexis Mera, disse que quando o presidente Rafael Correa chegou ao poder, encontrou "sérias irregularidades" em relação ao projeto da central hidrelétrica de San Francisco, mas não há provas de "depósitos e nem cheques".

Após a retirada da Odebrecht, em 2008, a companhia voltou a prestar serviços terceirizados ao Estado equatoriano em julho de 2010 e participou de cinco obras que foram "auditadas pela Controladoria Geral do Estado", segundo a Secretaria Nacional de Comunicação (Secom).

Fonte: EFE


Share on Google Plus

About Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário