Após protesto com esterco, Câmara de Vereadores de Campina Grande vai rever reajuste


Antônio Alves Pimentel Filho é atual presidente da Câmara de Vereadores de Campina Grande (Foto: Leonardo Silva/Jornal da Paraíba/Arquivo)


O presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Antonio Alves Pimentel Filho (PSD), afirmou nesta sexta-feira (16) que se reunirá com os vereadores para rever o projeto que fixa reajuste nos subsídios dos vereadores (para R$ 15 mil), prefeito (R$ 22 mil), vice e secretários (R$ 15 mil), e implantou 13º salário para integrantes do Executivo e Legislativo. Contra o aumento, um grupo de manifestantes jogou esterco no prédio da Câmara, na quinta-feira (16).

A sessão extraordinária deve ocorrer na segunda-feira (19). "[Diante] de tantos pedidos, a Câmara tem a obrigação de rever, então estão convocados", disse Pimentel. "Vou propôr [as devidas modificações] aos senhores vereadores. É uma proposta, mas tem que ter o aceite de pelo menos a maioria absoluta da Casa", acrescentou.

De acordo com ele, a Câmara precisa respeitar os apelos da população. "A casa do povo tem que ouvir e rever quando é um pedido de tantos cidadãos campinenses. Na minha obrigatoriedade como presidente e dirigente daquela Casa, [quero] convidar os vereadores para fazer essa análise", finalizou.

Entenda o caso

Por 14 votos a zero, a Câmara Municipal de Campina Grande aprovou os reajustes na quarta-feira (14). Dois projetos de lei estabelecem reajuste de 26% e implantação de 13º salário para os vereadores, prefeito, vice-prefeito, secretários e secretários adjuntos da cidade. Além do aumento e da implantação do 13º, outro detalhe nos projetos é que os gestores vão pode até solicitar a antecipação de 13º salário de cada ano, já a partir do mês de junho.

Com a aprovação, o subsídio do prefeito Romero Rodrigues (PSDB) subiria para R$ 22.700. Atualmente a remuneração base dele é de R$ 20 mil. Entretanto, em agosto de 2015, o prefeito determinou a redução de 40% do próprio salário e passou a receber R$ 12 mil.

Já o futuro presidente da Câmara de Vereadores passa a ganhar R$ 22.700. Todos também devem receber 13º salário proporcional ao tempo em que estiverem no cargo, em cada ano, tendo como base de cálculo o salário já reajustado.

Protesto jogou esterco na entrada da Câmara Municipal de Campina Grande (Foto: Josusmar Barbosa/Jornal da Paraíba)Protesto jogou esterco na entrada da Câmara de Vereadores de Campina Grande (Foto: Josusmar Barbosa/Jornal da Paraíba/Arquivo)

Veto ao reajuste do Executivo

Em resposta à decisão da Câmara de Vereadores, Romero Rodrigues disse que vai vetar o reajuste dele, do vice e de secretários, mantendo a decisão de reduzir seu salário. Já o salário do futuro vice-prefeito Enivaldo Ribeiro (PP) e dos secretários que eram de R$ 11,2 mil passariam para R$ 15 mil. Todos também deveriam receber 13º salário, a partir de 2017.

Fonte: G1

Share on Google Plus

About Fagner Soares

0 comentários:

Postar um comentário