segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Candidatos a Governador no Ceará trocam acusações durante debate

Nenhum comentário :
A proximidade do pleito para o Governo do Estado intensificou a condição emocional dos candidatos e aqueceu o debate realizado, ontem, pela TV Diário e retransmitido pela Rádio Verdes Mares. Logo na parte final, o representante do PSOL na disputa, Ailton Lopes, embargou a voz, nas considerações finais, e deixou o estúdio em direção ao banheiro visivelmente abalado. Ao entrar no camarote, o postulante começou a chorar, mas depois voltou para conceder entrevista à imprensa.

Durante o debate, os candidatos mais bem colocados de acordo com as últimas pesquisas eleitorais, Camilo Santana e Eunício Oliveira, também não foram cautelosos e partiram para o confronto direto. Logo no primeiro bloco em que foi permitida a elaboração de questionamentos entre os postulantes, o peemedebista direcionou a pergunta ao representante do PT na disputa.

Eunício Oliveira, ao fazer uma pergunta sobre segurança pública, tema previamente sorteado, o candidato Camilo Santana citou a importância das escolas em tempo integral como ação de combate à violência, mas logo dedicou à resposta para afirmar que o peemedebista estaria se aproveitando do tempo destinado ao horário eleitoral gratuito para acusar "covardemente" o petista de envolvimento no escândalo dos banheiros.

Covardemente

"Eu queria aproveitar essa oportunidade para dizer que, nos últimos dias, o senhor tem usado seu tempo de televisão para covardemente me acusar que eu estou envolvido no chamado escândalo dos banheiros. (...) Eu não era secretário das Cidades quando esse caso aconteceu, em 2010. Eu só assumi a Secretaria em janeiro de 2011 e fui eu, como secretário, que descobri o problema. Aliás, quem está sendo acusado, respondendo até criminalmente, são seus aliados", ressaltou ao fazer referência ao deputado estadual Téo Menezes (DEM) e ao ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Teodorico Menezes.

O candidato Eunício Oliveira, no entanto, rebateu o petista ao alegar que teria mostrado na propaganda eleitoral apenas que o TCE e o Ministério Público estariam investigando o caso.

"Eu nunca fiz uma acusação ao senhor e, muito menos, uma acusação leviana. (...) Quem faz acusações ao senhor é o Tribunal de Contas do Estado, quem está investigando o senhor é o Ministério Público. Nós somos os candidatos ao Governo do Estado e a população tem o direito de saber em quem vai votar no dia 5", frisou o peemedebista ao acrescentar ainda que Ciro Gomes é quem estaria fazendo acusações covardes contra ele.

Em seguida, Camilo Santana aproveitou a tréplica para destacar que, apesar de o Ministério Público tê-lo incluído no processo como secretário das Cidades, não estaria investigando se ele teve responsabilidade no escândalo dos banheiros.

A candidata Eliane Novais ainda endossou a polêmica em torno do tema ao lembrar que, na Assembleia Legislativa, Camilo Santana e nem o partido de Eunício Oliveira apoiaram a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para que a Casa contribuísse para a investigação naquela época.

O clima de acirramento entre os candidatos também foi perceptível antes da realização do debate. Eliane Novais e Eunício Oliveira chegaram primeiro à TV Diário acompanhados de assessores. Em Seguida, Camilo Santana chegou ao lado do prefeito Roberto Cláudio e, por último, Ailton Lopes ao lado de correligionários dos partidos.

Os quatro representantes na disputa trocaram cumprimentos rápidos e pouco trocaram palavras, dedicando o momento anterior ao debate mais para a conversa com os assessores.

Blocos

O debate foi dividido em cinco blocos. No primeiro, os candidatos responderam ao questionamento feito pelo mediador, jornalista Edison Silva, acerca do que o próximo governante pode fazer para tornar a máquina pública mais eficiente no enfrentamento às principais dificuldades reclamadas pela população.

Enquanto Eunício Oliveira pontuou que o governante precisa estar mais atento ao combate ao desperdício diante da pobreza do Estado, Eliane Novais acusou a atual administração da falta de vontade política para o enfrentamento dos problemas, Camilo Santana apresentou um panorama geral dos principais resultados alcançados pela atual gestão e Ailton Lopes destacou que os demais concorrentes representavam a defesa de um mesmo modelo de desenvolvimento econômico que não atende aos principais interesses dos que vivem no Estado.

Nos demais blocos, os candidatos se dividiram entre respostas às perguntas formuladas pelos próprios representantes na disputa acerca dos temas de saúde, educação, infraestrutura e segurança pública, previamente sorteado.

O acirramento entre os candidatos continuou no debate acerca da Saúde, que gerou embates em mais de um bloco. Ailton Lopes criticou a proposta de Camilo Santana em criar um sistema de avaliação das equipes que atuam nas unidades de atendimento à população ao avaliar que o projeto é uma forma de culpar o servidor público pela baixa estrutura. Já Eunício Oliveira reclamou da atual administração de ter inaugurado unidades de saúde sem se preocupar com a valorização do profissionais do setor.

Postulantes avaliam como positiva a discussão na TV

Marcado pelo acirramento do fim da campanha eleitoral, os candidatos ao Governo do Estado avaliaram o debate promovido pela TV Diário, ontem, como positivo e esclarecedor para os eleitores cearenses nesta reta final da eleição.

Após deixar o debate abalado, Ailton Lopes (PSOL) concedeu entrevista à imprensa. Ele destacou a importância do debate e criticou os candidatos que usam o momento para brigar. "Todo debate é fundamental, porque a gente coloca as ideias, claro que algumas candidaturas preferem ficar se engalfinhando e, na verdade, é uma pena. Pedimos um voto consciente e útil".

Camilo Santana (PT) afirmou que o momento permitiu expor aos eleitores as propostas de cada candidato para os próximos quatro anos. "Quanto mais debates melhor para que a população possa conhecer as propostas dos candidatos, o que eles pretendem fazer nos próximos quatro anos para o Ceará, portanto está de parabéns o Sistema".

Para Eunício Oliveira (PMDB), a oportunidade forneceu ao eleitor informações sobre os postulantes para que se consiga fazer uma avaliação correta sobre cada um. "Esse debate tem esse papel de esclarecer a população, para que o eleitor possa tomar conhecimento do que pensa cada cidadão que esteja disputando o Governo do Estado e tenha todas as informações".

Eliane Novais (PSB) ressaltou que o debate lhe proporcionou a chance de mostrar a diferença da sua candidatura das demais. "Foi muito bom o debate, todos os candidatos estiveram presentes, muitas vezes não há vontade de participar".

Insultos e agressões físicas de manifestantes na rua

Enquanto o debate com os candidatos ao Governo do Estado acontecia nos estúdios da TV Diário, do lado de fora diversos militantes dos candidatos com mais intenções de votos nas pesquisas, Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB), lotavam os arredores do local com bandeiras e carros de som. Eles trocavam insultos, acusações aos candidatos e, em um certo momento, chegaram as vias de fato. A cena foi protagonizada por duas jovens que, após trocarem ofensas, foram ao chão se estapeando e puxando cabelo, mas logo foram contidas por seguranças e outros militantes.

A movimentação dos militantes que, em diversos momentos, foi marcada por clima de briga, também foi acompanhada por policiais militares posicionados nos arredores. Militantes, vestidos com blusas do candidato Eunício e com tampas de vaso sanitário nas cabeças, jogavam papel higiênico em militantes de Camilo e o acusavam de envolvimento no caso do desvio de kits sanitários. Eles também criticaram o governador Cid Gomes (PROS) o chamando de censurador. No ar, os dois candidatos trataram também desse assunto.

O grupo do petista revidava jogando água nos adversários políticos e gritando "Seja homem, senador", em referência a um vídeo do governador que circula na Internet. Os momentos foram acompanhados por membros e assessores da campanha de ambos candidatos. Poucos militantes de Ailton Lopes (PSOL) e Eliane Novais (PSB) estiveram nas proximidades da TV Diário.

Fonte: Diário do Nordeste

Marina apagada, Aécio no ataque e Dilma ´bolada´: o debate que você não viu

Nenhum comentário :
Tiro no pé – A despeito dos discursos de que o seu candidato "ganhou" o debate, integrantes das três campanhas saíram dos estúdios da TV Record com avaliações similares: a estratégia de Dilma Rousseff (PT) em tentar virar o jogo, levando a Petrobras para o centro das discussões, foi arriscada e abriu a guarda da petista – que mostrou-se visivelmente irritada durante todo o debate. “Fui o centro do debate, então nada mais justo que eu tivesse direito de responder às críticas feitas ao meu governo", disse ela.

Jogo combinado – Os petistas também se queixaram especialmente que os nanicos Pastor Everaldo (PSC) e Levy Fidelix (PRTB) atuaram sem cerimônia como linha auxiliar de Aécio Neves (PSDB). Um dos quatro pedidos de resposta que Dilma reclamou foi justamente num diálogo entre Everaldo e o candidato do Aerotrem. Aécio, aliás, chegou a brincar no final do debate quando Eduardo Jorge, do PV, previu o segundo turno entre Dilma e Marina Silva (PSB): "Eu pedi direito de resposta".

Salão – Dilma cortou o cabelo para participar do debate e voltou a usar o figurino vermelho PT. “O cabelo dela cresce horrores e as pontas estavam ressecadas, por isso parei de fazer luzes”, disse o cabeleireiro Celso Kamura.

Cola – Depois do grave erro do IBGE ao divulgar a Pnad, o marqueteiro petista João Santana tinha no seu colo papeis com números do instituto e da pesquisa.

Ânimo – Políticos e membros da campanha tucana comemoraram a performance de Aécio Neves: a avaliação foi que o desempenho na TV Record foi o melhor do candidato nos debates até agora. Para os tucanos, Aécio foi mais claro e assertivo em suas falas e ainda lucrou com a dinâmica do debate, que manteve a corrupção em tela.

Sem bateria – Já entre os "marineiros", a animação não era a mesma. Marina Silva esteve mais apagada e também deu sinais claros de cansaço com a agenda pesada de viagens e comícios.

Gogó – Marina Silva levou ao debate sua inseparável garrafa térmica com água morna, que bebericou após cada fala. Proibida de apoiar a garrafa na bancada, apoiou-a no banco disponível aos candidatos.

Reação – A direção da campanha de Marina se irritou quando Dilma lembrou que ela mudou mais de uma vez de partido. Os coordenadores planejam abordar o tema nas próximas propagandas eleitorais. “Tem que ser dito que a Dilma saiu do PDT em busca de benefícios, enquanto Marina saiu do PT no auge do partido por motivações pessoais”, disse um dirigente.

Descompasso – O presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, discorda da tática da campanha de Marina nessa reta final da campanha. Com agenda prevista em Pernambuco nesta semana, ele avalia que ela deveria se concetrar em caminhadas e corpo a corpo em São Paulo e no Rio de Janeiro. “Tem de apostar onde ainda dá para crescer”, disse Amaral.

Queixa – Coordenadora do plano de governo de Marina, Neca Setubal reclamou do pedido de direito de resposta de Dilma Rousseff contra a fala de Marina que citou o governo. “Não acredito”, murmurou. Dirigentes do PSB acompanharam em coro: “Não pode ser oposição, isso é uma ditadura”.

Ao pé do ouvido – Herdeira do Itaú e alvo da máquina de propaganda petista, Neca Setubal ouviu conselho do vereador tucano Andrea Matarazzo: “Deixe entrar por um ouvido e sair pelo outro, não dê bola”. Ela assentiu: “É exatamente isso que estou fazendo".

Amigos, amigos, mas eleições à parte – No final do primeiro bloco, os vices de Dilma e Marina, Michel Temer (PMDB) e Beto Albuquerque (PSB) se cumprimentaram com um abraço e trocaram sorrisos. "Respeito muito, mas não dá para desejar boa sorte...", brincou Temer com Albuquerque.

Desistir jamais – Depois de uma profusão de frases controversas – que podem lhe render problemas se o Ministério Público se manifestar – sobre o casamento gay, o nanico Levy Fidelix divertiu a plateia sem precisar evocar o folclórico aerotrem. "Não sou utópico, não vamos ganhar esta eleição. Então me coloquem como investimento para 2018", disse nas considerações finais.

Fonte: Veja Online

Corrupção na Petrobras pauta debate quente na TV

Nenhum comentário :
A uma semana das eleições, os três principais candidatos à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB), protagonizaram o mais tenso debate na televisão até agora, promovido pela TV Record, com embates diretos e os escândalos de corrupção na Petrobras no centro das discussões. 

Visivelmente irritada, Dilma pediu direito de resposta quatro vezes e reclamou que estava impedida de rebater ataques laterais dos adversários. A emissora acatou somente uma queixa. A petista tentou usar seus trinta segundos extras dizer que demitiu o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que revelou em delação premiada um esquema de propina e desvios da estatal para políticos e partidos – inclusive a campanha de Dilma em 2010, conforme revelou a edição de VEJA desta semana. Dilma, entretanto, não conseguiu completar seu raciocínio porque estourou o tempo.

Numa estratégia arriscada, a própria presidente-candidata tentou virar o jogo e levar a Petrobras para o debate: ao questionar Aécio Neves, citou um discurso de 1997 no qual o então deputado disse que a privatização da estatal petroleira "estava no radar" do governo Fernando Henrique Cardoso. A pergunta resultou num tiro no pé. Na resposta, o tucano disparou: "Não vou privatizá-la, vou reestatizá-la, tirá-la das mãos do grupo que aí está. O coordenador de campanha do PT pediu recursos para sua campanha nesse esquema e não vejo em você uma reação de indignação".

A partir daí, a maioria dos candidatos aproveitou para manter o tema no centro do debate. Pastor Everaldo, do PSC, aproveitou para lembrar que a campanha de Dilma acionou a Justiça Eleitoral contra uma peça de propaganda do PSC que apontava a corrupção na Petrobras. E até o folclórico Levy Fidelix, do nanico PRTB, abriu mão de falar do seu aerotrem para alfinetar a presidente-candidata: "Já tivemos alguns escândalos recentes, como o mensalão e outros. Ao que tudo indica, o Youssef (o doleiro Alberto Youssef) vem com novos escândalos".

Dilma ainda tentou voltar ao tema da corrupção num embate direto com Aécio ao afirmar que "deu autonomia para a Polícia Federal prender Paulo Roberto Costa". Aécio devolveu, constrangendo a rival: "A senhora não tem que autorizar a Polícia Federal a prender ninguém porque isso é uma prerrogativa cosntitucional".

Marina – Quando teve a oportunidade de escolher para quem dirigiria sua pergunta, Dilma escolheu inicialmente o confronto com Marina, sempre repetindo a linha de sua propaganda na televisão de desconstrução da imagem da rival – que esteve mais apagada do que nos debates anteriores. "A senhora mudou de partido quatro vezes em três anos, mudou de posição em questões como a CLT e a homofobia. Qual foi sua posição em relação a CPMF?", disse. Na TV, o PT tem pregado que a ex-senadora disse ter votado a favor o antigo imposto do cheque, mas os registros do Legislativo apontam o contrário. Marina evocou o senador petista Eduardo Suplicy, falou em "oposição raivosa" e tentou revidar: "Mudei de partido para não mudar de ideais e de princípios". E Dilma emendou: "Não entendo como a senhora pode esquecer que votou quatro vezes contra a criação da CPMF".

Aécio também mostrou suas armas contra Marina: além de manter o tema da corrupção na Petrobras orbitando o debate para desgastar Dilma, lembrou diversas vezes o passado de Marina no PT. Ao falar sobre o combate à inflação no governo Fernando Henrique Cardoso, cutucou: "Lutávamos contra o PT e na época a senhora era do PT".

O tucano também aproveitou uma dobradinha com Pastor Everaldo para lembrar as lamentáveis declarações de Dilma defendendo diálogo com terroristas durante a Assembleia da ONU. "Foi um dos mais tristes episódios da política externa brasileira, para perplexidade de diplomatas. A presidente usou a Assembleia da ONU para fazer autoelogios ao seu governo e também propôs diálogo com o Estado Islâmico, que está cortando a cabeça de pessoas."

Fonte: Veja Online

Levy Fidelix ofende gays em debate e causa revolta nas redes sociais

Nenhum comentário :
O candidato Levy Fidelix (PRTB) provocou revolta nas redes sociais ao ser questionado por Luciana Genro (PSOL) sobre suas propostas para a população LGBT durante o terceiro bloco do debate da TV Record, na noite deste domingo. Ele defendeu ´tratamento psicológico" a gays e declarou que não quer os votos dele. Logo após o debate, a hastag #LevyVocêÉNojento figurou em primeiro lugar nos tópicos do Twitter Brasil:

— Dois iguais não fazem filho. Me desculpe, mas aparelho excretor não reproduz. Tem candidato que não assume isso com medo de perder voto. Prefiro não ter esses votos, mas ser pai, avô que instrua seu neto. Não vou estimular a união homoafetiva. Se está na lei, que fique como está.

Durante a réplica, Luciana Genro declarou que é a candidata que defende "todas as famílias":

— Estou defendendo todas as famílias. Não importa se são dois homens e duas mulheres. O que importa é que as pessoas se amem.

Na tréplica, Fidelix voltou à carga:

— O Brasil tem 200 milhões de habitantes. Você já pensou se a moda pega? Daqui a pouquinho vai reduzir pra 100 milhões. Vai pra (Avenida) Paulista e anda lá um pouquinho. É feio o negócio. Essas pessoas que têm esses problemas que sejam atendidos por ajuda psicológica. E bem longe da gente, porque aqui não dá.

Os comentários de Levy Fidelix foram os que geraram mais reações da plateia durante todo o debate. No início do programa, o candidato já havia arrancada algumas gargalhadas ao declarar que é preciso investir nas Forças Armadas porque os "países bolivarianos podem atacar nossas fronteiras e invadirem nosso país".

Fonte: O Globo